Comece a fazer pedidos no Uber Eats

Peça agora
Uber para Empresas

Os especialistas em viagens da Uber partilharam as suas previsões para 2021 no que toca às viagens de negócios

30 de abril de 2021 / Portugal

O Uber para Empresas é uma aplicação global para todas as suas necessidades empresariais. Saiba mais sobre o Uber para Empresas e as nossas soluções de viagem. 

Em 2020, o mundo parou. As empresas pediram aos colaboradores que trabalhassem remotamente, os restaurantes fecharam temporariamente e as viagens pessoais e de negócios foram interrompidas. Dados da Global Business Travel Association (GBTA) mostram que, no ano passado, 93 % das empresas suspenderam as viagens internacionais e 72 % cancelaram viagens domésticas. 

Os executivos estão divididos sobre se as viagens irão voltar aos níveis de frequência anteriores à COVID, mas à medida que as vacinas se estão a generalizar, o mundo está a começar a reabrir lentamente. Falámos com Physititia Grant, Global Lead of Travel and Expense, e com Terrence Donovan, Travel Supplier Manager, da Uber. Discutiram a opinião da Uber sobre as viagens empresariais, as previsões de regresso às viagens de negócios e as inovações futuras à medida que as empresas de hotelaria se adaptam a um mundo pós-COVID. 

Qual era a situação da Uber em relação às viagens antes da COVID? 

Physititia Grant: Com uma ênfase cultural tão grande na colaboração presencial, havia um nível bastante elevado de viagens. Antes do COVID-19, quando alguém chega aqui, normalmente começa nas viagens e avança para a integração na respetiva região nos primeiros três meses. Diria que cerca de 70% da força de trabalho viajava regularmente antes da pandemia.

Terrence Donovan: Este valor de 70% dos colaboradores é bastante significativo na indústria. A Uber atribui grande valor a uma cultura colaborativa, por isso, queremos que as pessoas se apresentem pessoalmente para trabalhar com outras equipas e estar noutros locais. 

Quando comecei, em 2018, o número de viagens estava a aumentar, incluindo em termos anuais. Estávamos a contratar cada vez mais pessoas, o que significava que as viagens também estavam a aumentar. Com a pandemia, parou tudo. Tivemos números fantásticos em 2019 e vimos um decréscimo de 90% nas despesas e transações. 

Qual era a situação das viagens antes do surto de COVID-19?

PG: A nossa principal prioridade era o dever de diligência. Foi um aspeto que mereceu uma enorme atenção. As restrições mudavam diariamente. Tivemos de comunicar e trabalhar com segurança; havia pessoas que não conseguiam atravessar fronteiras. Tivemos de levar todos em segurança para as suas casas. Pouco depois, implementámos uma política que estabeleceu que apenas devem ser feitas viagens essenciais, para que os colaboradores viagem apenas quando considerado absolutamente necessário para as operações da empresa. Esta política ainda está em vigor. 

TD: Depois, a nossa tarefa foi garantir a gestão de tudo o que tinha sido planeado (bilhetes cancelados, reservas, etc.). Precisávamos de encontrar formas de guardar adequadamente o que podíamos. Se não íamos receber um reembolso, tínhamos de garantir que a reserva ficava guardada num armazém de bilhetes, num perfil empresarial, num cartão da companhia aérea ou num voucher de oferta. Temos de gerir tudo e garantir que está a voltar para a empresa. 

Qual preveem que venha a ser o papel das viagens para a Uber após a COVID e a vacinação? A empresa irá voltar ao mesmo nível de viagens? 

PG: A equipa de liderança [da Uber] salienta o facto de a nossa cultura ser uma cultura global e colaborativa. Queremos ver as pessoas, interagir e colaborar e nada melhor do que uma interação cara a cara. Temos um grande número de pessoas que estão prontas para viajar. Em geral, os colaboradores da Uber têm vontade de viajar, especialmente na Europa e na Ásia. 

Estamos a criar o nosso plano de recomeço de viagens. À medida que o volume aumenta, estamos a trabalhar em estreita colaboração com outras equipas da Uber, de forma holística, nomeadamente em termos de segurança das viagens, imobiliário, local de trabalho e saúde e segurança ambiental.

Comparámos o nosso plano com o de outras empresas tecnológicas com dados demográficos de colaboradores semelhantes aos da Uber. Partilhamos boas práticas para ver o que cada um está a fazer. À medida que recomeçamos as viagens, será um exercício constante de melhoria do processo, uma vez que as coisas mudam muito rapidamente. 

Também temos conversado internamente com a equipa de finanças estratégicas, uma vez que não se pode viajar sem orçamento. 

Sou associada da GBTA e perguntámos recentemente aos compradores que informações têm sobre orçamentos. Pareceu que havia orçamentos para viagens bastante baixos em comparação com 2019, ou nenhum orçamento de todo. 

Houve uma grande ênfase na colaboração virtual e nas reuniões virtuais. É possível que a situação melhore na segunda metade do ano, sobretudo para as viagens domésticas e, potencialmente, para pequenas reuniões e eventos domésticos. Acho que, provavelmente, vamos ver um aumento mais rápido nas viagens do que as outras empresas, devido ao nosso perfil demográfico. As outras empresas podem não querer recomeçar tão rapidamente a viajar. 

Qual é o alvo da vossa atenção, agora que o mundo começa a reabrir? 

TD: Estamos atentos para ver, por exemplo, o que é que os viajantes precisam de ter antes de entrarem no avião. Até que ponto as políticas específicas são viáveis e como é que as companhias aéreas podem gerir muitas das peças móveis nos próximos meses? 

Em todo o setor, provavelmente as viagens domésticas e regionais começarão a aumentar no segundo trimestre e as viagens internacionais no final do quarto trimestre. Mas, repito, tudo isto é especulativo e depende do processo de vacinação, das políticas das companhias aéreas e dos regulamentos relativos às fronteiras. 

Há alguma outra tendência ou adaptação interessante que tenham visto recentemente nas viagens de negócios? 

TD: Tive recentemente uma reunião com os hotéis Hilton. Em termos de espaço de reunião híbrido virtual, estão a mudar o panorama, mudando a forma como as pessoas veem os cenários de reunião virtuais e híbridos. Eles são muito criativos e realizaram alguns eventos extremamente bem-sucedidos. Tudo por causa da sua criatividade. Estão a tentar chamar a atenção das pessoas e mantê-las envolvidas. O programa CleanStay que criaram vai ser completamente inovador. 

As coisas vão ser diferentes nos aeroportos. O TSA PreCheck vai ser diferente. Estão a determinar como será o cenário quando os aeroportos tiverem mais visitantes e todos precisarem de resultados de testes. A TSA está a tentar criar planos próprios para gerir cada vez mais pessoas, com tudo o que é necessário ter em consideração e tudo o que tem de ser verificado. Vai ser certamente uma altura interessante e estamos a aprender e testar muita coisa agora.