Comece a fazer pedidos no Uber Eats

Peça agora
Uber para Empresas

O futuro dos negócios e as empresas

29 de julho de 2021 / Portugal

Em 2020, a pandemia interrompeu as viagens e os encontros presenciais, mas também abriu novas oportunidades. Falamos com os executivos de vendas do Uber para Empresas, John Foong, Global Head of Account Management; Eric Lee, Global Head of Sales Development; e Christophe Peymirat, responsável pelo Uber para Empresas na região EMEA, para saber o que aprenderam em 2020 e o que esperam nas vendas em 2021 e nos anos seguintes.

O envolvimento dos colaboradores é mais importante do que nunca

Sem uma ligação regular, os colaboradores estão a sentir o impacto. “Até certo ponto, todos nós nos sentimos desligados. Não poder ver a minha equipa ou os meus colegas no escritório torna o trabalho menos divertido e, provavelmente, também nos custa em termos de inovação e partilha de conhecimento de uma forma que é difícil de quantificar”, afirma Foong. 

Lee tem a mesma opinião: “O que falta agora é a colaboração entre equipas. Não conseguimos ouvir o que as pessoas estão a fazer ao telefone, não podemos ir ter com um colega para tirar dúvidas. É muito fácil ficar isolado neste ambiente remoto.”  

Ferramentas de chat, como o Slack, tornaram-se muito utilizadas para recriar a experiência presencial tanto quanto possível. “Aproveitamos muito mais o Slack e é isso que tem sido um sucesso”, afirma Lee. “Sabemos que falta conhecimento no local, mas estamos a tentar compensar virtualmente com chats e reuniões semanais mais regulares.” 

A equipa de liderança também está a trabalhar para encontrar novas formas de se ligar às respetivas equipas e ajudá-las a sentirem-se seguras e valorizadas. “Tivemos ideias muito interessantes para reuniões de equipa, grupos Slack para diversão, horas de cocktails, jogos de perguntas e respostas virtuais”, afirma Lee. Foong acrescenta: “Trata-se de usar o digital para colmatar a lacuna física, experimentar uma ideia, mostrar intenção e cuidado.” 

As vendas virtuais têm as suas regalias e estão para ficar

Em vez de nos focarmos nas limitações das videochamadas, devemos aproveitar e apreciar os seus benefícios. “Conseguimos fazer muitas mais chamadas e estar em menos locais”, afirma Foong. “É um contexto um pouco mais equitativo, um ótimo igualador. Também há muitas ferramentas interessantes que podemos utilizar, como as sondagens ou apertos de mão virtuais, para ajudar a manter as pessoas envolvidas.” 

Segundo Peymirat: “A forma como as pessoas trabalham vai mudar. Agora, será mais aceitável fazer negócios em ferramentas de videochamada como o Zoom, especialmente quando se trata de reuniões curtas [com os clientes]. Perdemos um pouco da qualidade da interação, mas, do ponto de vista da eficiência, temos mais tempo para trabalhar.” 

As viagens de negócios vão voltar, mas não serão tão constantes

“Apesar de nos podermos reunir com os clientes através de videochamada, as ligações são menos íntimas”, afirma Foong. “As parcerias não são terríveis, mas podiam ser melhores. Queremos ser capazes de estabelecer relações estratégicas [presencialmente] e aprofundá-las.” 

De acordo com Peymirat: “Antes da COVID-19, visitava um a dois países por semana. A forma de realizar negócios na Europa baseava-se firmemente nas relações e os nossos clientes esperavam ver as pessoas pessoalmente. Havia muitas reuniões e networking.” Agora que as ligações são feitas virtualmente, o envolvimento mudou. 

Procure um novo modelo de envolvimento do cliente daqui em diante

Os três líderes de vendas eram viajantes frequentes antes da chegada da COVID-19, mas concordam que o processo de vendas e as viagens associadas vão mudar. “Não vai voltar a ser como era antes”, afirma Foong. “Esperamos que o mundo híbrido nos permita reintroduzir as interações presenciais das quais sentimos muita falta, enquanto mantemos a igualdade e os benefícios do estilo de vida do teletrabalho.” 

Segundo Peymirat: “Já estamos todos habituados a fazer videochamadas e funciona, mas penso que irá mudar fundamentalmente a forma como fazemos negócios. Se olharmos para como eram organizadas as viagens de negócios antes da COVID-19, na Europa era muito comum que os viajantes de negócios partissem num voo de manhã, por exemplo, de Paris para Frankfurt, e regressassem ao escritório à tarde. As pessoas ficavam muito cansadas. É muito dispendioso. Acho que quando as empresas refletirem, a minha ideia é que vamos continuar a encontrar-nos com grandes potenciais clientes, mas não tão regularmente.”