Essa é a segunda edição do podcast, que abordará também violência contra as mulheres

A Uber lança hoje a segunda edição do Podcast Fala Parceiro de Respeito, uma série com 20 episódios que pretende convidar os parceiros que usam o app para gerar renda para serem aliados no combate ao racismo, à LGBTQIA+fobia e à violência contra a mulher. 

O conteúdo educativo foi coordenado pela Promundo, uma ONG especialista em envolver homens e meninos em projetos, pesquisas e campanhas pela igualdade de gêneros e que já trabalhou com instituições como a ONU, o Banco Mundial e a OMS. 

Os episódios serão distribuídos semanalmente a cerca de 1 milhão de pessoas que dirigem usando o app da Uber todos os meses, em todos os Estados do país.  Cada tema será abordado em uma sequência de episódios curtos, com linguagem simples e de fácil compreensão. Quem ouvir todo o conteúdo vai receber o selo Viagem de Respeito, a partir de setembro. Os usuários poderão verificar se seu motorista tem ou não o selo consultando o perfil que fica disponível dentro do app, a partir do momento em que a viagem é aceita.

O trabalho para a criação do conteúdo começou no início do ano e levou meses para ser concluído. A pedido da Uber, a Promundo realizou pesquisas imersivas com dezenas de ativistas, usuários e motoristas parceiros de Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e Manaus para entender comportamentos, dúvidas e caminhos que ajudaram a definir a melhor abordagem, e elaborar os roteiros da nova série de Podcast. Com os desafios impostos pela pandemia, foi necessário adaptar os encontros presenciais para uma agenda 100% virtual. Alguns usuários e motoristas parceiros participantes das pesquisas foram convidados a também fazer parte da gravação dos podcasts.

“Desde que desenvolvemos esse projeto em 2019 com a Uber, já havíamos escutado dos motoristas que eles estavam mais dispostos a ouvir arquivos de áudio enquanto dirigiam do que a parar para assistir um vídeo, por exemplo”, conta a coordenadora do projeto Sandra Vale. “Com todos os aprendizados que tivemos com a primeira edição, entendemos que era necessário envolver também usuários e ativistas para termos condições de falar sobre racismo e LGBTQIA+fobia, e dessa forma construir um conteúdo que pudesse dialogar com a realidade de todos os envolvidos”, completa Vale.

Para Claudia Woods, diretora-geral da Uber no Brasil, a empresa está em situação privilegiada para disseminação de conteúdos relevantes. “Na escala em que operamos, realizamos milhões de conexões diariamente. Por conta disso, os problemas complexos da nossa sociedade, como o assédio e o racismo, acabam também aparecendo nas nossas operações. Mas, ao mesmo tempo, nossa capilaridade nos traz também um grande potencial de alcance. E é por isso que temos nos comprometido em atuar em diferentes frentes, seja com tecnologia, novos produtos ou mesmo conteúdos educativos, para ser parte da solução desses problemas.”

Ouça aqui o o episódio de introdução ao primeiro tema.

Edição anterior – Em 2019, os conteúdos produzidos em parceria com o Promundo tinham como tema central a violência contra a mulher. Vídeos, podcasts e textos foram elaborados tendo como base uma pesquisa e grupos focais realizados com motoristas parceiros nas cidades do Rio de Janeiro e Fortaleza. Ao final da campanha, 85 mil motoristas receberam o selo Viagem de Respeito, depois de ouvirem os seis episódios da série.

Compromisso – O trabalho com a Promundo é mais um capítulo do compromisso da Uber com a segurança e o respeito entre todos que usam o aplicativo: motoristas parceiros, entregadores parceiros, restaurantes e usuários. Desde 2018, quando assumiu um compromisso público para o enfrentamento à violência contra a mulher, a Uber vem realizando iniciativas em parceria com diversas ONGs que são referência no assunto. Em evento realizado no final do ano passado, a empresa anunciou a renovação desse compromisso, com investimentos de mais R$ 5 milhões ao longo dos próximos três anos, incluindo a parceria com a Promundo.

Na última semana, a empresa anunciou uma série de iniciativas globais com o objetivo de combater o racismo e criar produtos igualitários por meio da tecnologia.  Os compromissos passam por metas internas, como aumentar o número de funcionários negros, inclusive em cargos de liderança, e também externas, como a revisão dos processos de respostas às denúncias de racismo e a disseminação de conteúdo educativo para motoristas parceiros e usuários. (Acesse o anúncio completo aqui)

Desde o início do ano, a Uber está trabalhando também em parceria com advogadas e membras da deFEMde, para revisar o processo de atendimento a denúncias de racismo e LGBTQIA+fobia da plataforma no Brasil. O objetivo é ter uma clara identificação dos casos e um melhor acolhimento do relato da vítima. O mesmo processo de revisão já havia sido feito em 2019 para denúncias de assédio ou violência contra a mulher.

Além disso, a empresa possui diversas outras ações voltadas para a inclusão da comunidade LGBTQIA+ e sensibilização contra a discriminação por meio de materiais educativos. 

Em fevereiro, durante o carnaval, a Uber lançou uma ampla campanha com o objetivo de sensibilizar sobre o Código de Conduta da empresa, que havia sido atualizado para deixar ainda mais claro os comportamentos que não são aceitos dentro da plataforma e incentivar o respeito mútuo.